Comece agora com 10 dias grátis!

Assinar

Extinção de carreiras: mito ou verdade?

25 de Abril de 2018

Segundo especialistas, em 20 anos, 50% das carreiras vão acabar. A previsão pode assustar um pouco, mas serve de alerta para muitos profissionais. As tecnologias estão substituindo boa parte das funções até então preenchidas por pessoas em muitas áreas. Isso faz com que as carreiras tenham uma mudança muito forte.

Para quem é da área de RH, o desafio é ainda maior. Como preparar os colaboradores desde já para que eles estejam aptos às competências do futuro? Será que realmente acontecerá uma extinção de carreiras?

Acompanhe este artigo e descubra o que é mito ou verdade.

A reinvenção de carreiras faz parte da história

A ideia de reinvenção de carreira é algo intrínseco à evolução humana na busca para aumentar a produtividade. São muitos os exemplos que podemos citar em relação às mudanças das profissões. Um deles é a substituição de cavalos e carroças por carros. Quantas pessoas perderam seus postos de trabalho porque a profissão ficou obsoleta?

Podemos ainda falar dos datilógrafos. Lembra como era importante ter um diploma de datilografia? Depois do aparecimento do computador, eles foram substituídos por digitadores. E quem lembra da telefonista? Ela ainda não desapareceu totalmente, mas perdeu grande espaço para centrais digitais.

Tecnologias como inteligência artificial e blockchain - estrutura de dados que representa um registro de uma transação – estão cada vez mais presentes no dia a dia das empresas. A utilização delas pode forçar organizações e pessoas à mudança.

“Um bom exemplo que podemos usar é em relação ao Japão. Ele está desenvolvendo uma sociedade baseada em robôs, na qual muitos dos serviços não são desempenhados por humanos. Isso vai tirar empregos das pessoas? Claro que vai. Mas vai tirar o emprego de quem? De pessoas menos produtivas e trabalhos menos organizados."
Professor José Cláudio Securato, presidente da Saint Paul Escola de Negócios.

A reinvenção de carreiras está em ritmo acelerado e vai mudar ainda mais para as próximas gerações. Segundo estudiosos, 65% das crianças de hoje irão trabalhar com profissões que não existem atualmente. Isso indica um problema para a educação, que precisa se adaptar a este cenário.

Afinal, a extinção de carreiras é mito ou verdade?

Não é novidade que a implementação de tecnologias causou a extinção de algumas carreiras. No entanto, outras foram criadas a partir dela. A questão é que a transformação digital vai exigir das pessoas um novo nível de educação e capacidade de trabalho.

Para o Professor José Cláudio Securato, presidente da Saint Paul Escola de Negócios, “é muito importante entender o que é a transformação digital. E ter uma noção de como as tecnologias podem ajudar no seu negócio. Também é preciso compreender como acertar novas tecnologias. Saber como usar tudo o que temos à disposição”.

O caminho da reinvenção de carreiras

Como vimos até o momento, a informatização nas profissões é um caminho sem volta. Então, como os profissionais podem se reinventar utilizando essas tecnologias como apoio?

Focar nas competências do futuro é a indicação do professor Securato: “Fundamentalmente tudo aquilo que a inteligência artificial não consiga fazer, ou demorar mais pra fazer ou que seja caro pra fazer”.

Confira três exemplos de profissões que sofreram os impactos das novas tecnologias ao longo do tempo, e como esses profissionais podem se reinventar:

Paralegal
Uma análise feita por dois pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estimou quais as chances de algumas profissões serem automatizadas em 20 anos. E a de paralegal, ou auxiliar jurídico, apareceu com a probabilidade de 94,5%.

Assistentes jurídicos virtuais já é uma realidade em boa parte dos escritórios. A criação de Lawtechs ou Legaltechs, startups cujo serviço mescla aspectos do Direito e da tecnologia, cresce a cada ano.

Diante das perspectivas, o caminho para esses profissionais é fazer da tecnologia sua aliada. Entender de programação, por exemplo, pode ser o diferencial.

Agrônomo
O uso de drones por parte de produtores é cada vez mais comum no campo. Por isso, é importante aprender a pilotar essas máquinas para alcançar melhor resultado.

Independente da carreira, a atualização constante é cada vez mais necessária. Ter conhecimento sobre programação, por exemplo, pode dar um diferencial na profissão. Não que seja obrigatório aprender a programar, mas entender da nova lógica de programação.

Com isso, os profissionais podem ter insights mais fortes e profundos de transformação de seus próprios setores. A ideia é que a tecnologia deixe de ser apenas uma área de conhecimento em si. No entanto, tudo depende do esforço e empenho do profissional.

Gostou de saber mais sobre a tão falada extinção de carreiras e seus mitos e verdades? E você, como está preparando seus colaboradores para os próximos anos? Compartilhe sua experiência! Deixe seu comentário.

New call-to-action

  • compartilhe